Consumir leite reduz as chances de desenvolver a doença de Crohn, diz estudo

Durante anos, não ficou claro como o consumo de produtos lácteos afeta a chance de desenvolver as duas principais formas de doença inflamatória intestinal, a doença de Crohn e a colite ulcerativa. Por um lado, acredita-se que as gorduras saturadas, que os produtos lácteos também contêm, contribuam para o risco. Mas, por outro lado, vários componentes únicos de leite, iogurte e queijo, como certos fatores antiinflamatórios e, dependendo do produto, até bactérias específicas, são considerados protetores. Agora, o maior estudo epidemiológico sobre o consumo de laticínios e o desenvolvimento dessas doenças foi publicado. E ele relata que as pessoas que consomem leite são significativamente menos propensas a desenvolver a doença de Crohn do que aquelas que não o fazem. Os dados para colite ulcerativa foram menos conclusivos.

A doença de Crohn e a colite ulcerativa são semelhantes. São formas diferentes de inflamação crônica do intestino – uma resposta imune incompatível às bactérias que habitam o sistema digestivo. Na doença de Crohn, a inflamação ocorre em manchas entre áreas de tecido saudável, em todas as camadas de tecido intestinal e em qualquer região do trato digestivo da boca até o ânus. A colite ulcerativa é limitada ao revestimento interno do cólon, e todo o cólon tende a ser afetado de uma só vez. Os sintomas e as causas geralmente compreendidas são mais ou menos os mesmos. Acredita-se que alguns perfis genéticos aumentem a probabilidade de se tornarem afligidos, mas é comum que apenas um de dois gêmeos idênticos seja diagnosticado com qualquer doença, o que sugere que fatores ambientais desempenham um papel importante no desenvolvimento das doenças. De fato, fumar aproximadamente dobra a probabilidade de contrair a doença de Crohn.

A escala do estudo recém-publicado é indicada pelo acrônimo: EPIC, que significa Investigação Prospectiva Européia em Câncer e Coorte Nutricional. Os participantes estavam todos saudáveis quando se inscreveram em algum momento entre 1991 e 1998, o que eles poderiam fazer em qualquer um dos oito países europeus. Quando se inscreveram, responderam a questionários detalhados sobre a frequência com que consumiam cerca de 200 tipos diferentes de alimentos, incluindo leite gordo, semi-desnatado e desnatado, leite fermentado, iogurte natural e aromatizado e várias categorias de queijo.

Mais de 400.000 pessoas completaram esses questionários. E, ao longo dos anos até, em alguns centros, em dezembro de 2010, as trajetórias de saúde desses indivíduos foram registradas. Exatamente 244 dos participantes desenvolveram colite ulcerativa durante o período do estudo. Enquanto isso, 110 participantes foram diagnosticados com a doença de Crohn. A grande equipe de pesquisadores envolvidos na coordenação deste estudo buscou diferenças estatisticamente relevantes nas dietas das pessoas que foram diagnosticadas em comparação com aquelas que permaneceram saudáveis – e eles fizeram um “estudo comparativo” subsequente para garantir que suas descobertas fossem robustas.

A causa e o efeito de isolamento não foram diretos neste caso. Isso porque, embora haja razões para pensar que o consumo de produtos lácteos reduz as chances de contrair doenças inflamatórias intestinais, as pessoas diagnosticadas – ou que acham que podem tê-lo antes de serem diagnosticadas – frequentemente evitam laticínios para reduzir seus sintomas. Em outras palavras, uma correlação de baixa ingestão de laticínios e a ocorrência de sintomas pode resultar do padrão causal reverso para o que os pesquisadores estavam interessados. Por esta razão, os pesquisadores decidiram pelo excesso de cautela e excluíram da análise qualquer um diagnosticado dentro de 18 meses da data de início do estudo.

O principal resultado, no entanto, é simples: os participantes que foram diagnosticados com doença de Crohn eram mais propensos a não consumir leite do que aqueles que permaneceram saudáveis. Este foi o caso se os efeitos de outras variáveis ambientais, como nível de escolaridade e número total de calorias consumidas, fossem estatisticamente removidos na análise. Curiosamente, os pesquisadores não descobriram que a quantidade de leite na dieta é importante, apenas sua presença ou ausência – e especulam que isso poderia implicar que consumir apenas uma pequena quantidade de leite é suficiente para proporcionar um benefício protetor. Padrões dietéticos semelhantes foram observados nos dados para pessoas que desenvolveram colite ulcerativa, mas estas não foram estatisticamente significativas.

O que torna esses resultados tão importantes é que, ao contrário da maioria das pesquisas nesse campo, os participantes não foram solicitados a lembrar o que comeram e beberam anos antes. Qualquer pessoa que tenha perdido alguns dias de um diário alimentar e tentou preencher as lacunas perceberá quão provável essa informação não é confiável. Antes de este estudo ser publicado, havia apenas um outro estudo prospectivo que procurava as mesmas relações, mas era muito menor em escala, apenas mulheres francesas participaram, e não examinou os riscos para a doença de Crohn e a colite ulcerativa separadamente. Esse estudo não conseguiu encontrar um link e deixou os pesquisadores se perguntando se isso era porque não havia participantes suficientes para revelar um efeito real. Agora, com mais participantes, homens e mulheres, e com as dietas de muitos países diferentes representados, esse elo foi estabelecido.

Em SPLASH!®milk science update: edição de setembro de 2018

Fonte: http://www.bebamaisleite.com.br/noticia/leite-reduz-doenca-de-crohn

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading...
%d blogueiros gostam disto: