Crianças com doenças reumáticas podem receber a vacina contra a Covid-19?

As crianças com doenças reumáticas imunomediadas (DRIM) apresentam um risco aumentado para infecções tanto pela disfunção do seu sistema imunológico quanto pelo tratamento imunossupressor a que são submetidas.

As infecções, inclusive, são importantes causas de morbidade e mortalidade nesses pacientes, e a vacinação é o método mais seguro para preveni-las. Não custa lembrar a Covid-19 é justamente uma doença infecciosa, provocada pelo vírus Sars-CoV-2, o coronavírus.

No geral, taxa de vacinação preocupa

Os índices de cobertura vacinal caíram no Brasil: os números apontam uma queda de 8 a 15 pontos percentuais em relação a algumas vacinas. Acredita-se que isso esteja associado à pandemia, já que muitos pais optaram por não levar as crianças às unidades básicas de saúde. Outro fator que pode ter influenciado nessa realidade foi o crescimento expressivo do movimento anti-vacina no país.

Além disso, ainda existem dúvidas das famílias quanto à efetividade dos imunizantes, ao risco no desenvolvimento da doença e aos possíveis efeitos colaterais. É claro que a resposta imune de um paciente imunossuprimido à vacina acaba sendo menor, mas, ainda assim, ela é melhor do que não receber a dose.

As vacinas e o tratamento

O ideal é que, ao se planejar um tratamento imunossupressor para as crianças com doenças reumáticas imunomediadas, seja checado seu esquema vacinal.

Atualmente, é consenso que os imunizantes feitos com vírus inativado/morto devem ser aplicados nesses pacientes, mesmo durante o uso do imunossupressor. Alguns exemplos de vacinas assim: influenza, haemophilus influenzae B, hepatite B, meningocóccicas (meningo C e ACWY), pneumocóccica, HPV e tétano.

Por outro lado, vacinas com vírus vivo atenuado – como BCG, rotavírus, polio oral (VOP), febre amarela, tríplice viral e dengue – estão contraindicadas na vigência de imunossupressão grave.

Em relação à Covid-19, o fato de a doença ter se apresentado de uma forma menos intensa nas crianças inicialmente – quando comparada aos adultos – fez com que se subestimasse a sua gravidade nessa faixa etária. Mas as taxas de mortalidade entre os pequenos são muito maiores (de 5 a 10 vezes) no Brasil em relação aos índices observados em países da Europa e nos Estados Unidos.

Vale ressaltar também que as crianças podem desenvolver a síndrome inflamatória multissistêmica, uma manifestação tardia da infecção pelo Sars-CoV-2. Esse quadro pode levar à mortalidade, além de causar sequelas associadas a quadros cardiovasculares e neurológicos.

Dito isso, a diretriz estabelecida pela Sociedade Brasileira de Reumatologia para a vacinação contra a Covid-19 orienta que crianças e adolescentes com DRIM devem receber a dose, pois o benefício sobrepõe-se ao risco de efeitos adversos.

É claro que, devido à própria doença e também ao tipo de imunossupressor utilizado pelo paciente, a resposta será variável e, por isso, o momento da vacinação deve ser individualizado e direcionado pelo médico, levando em consideração o quadro clínico e o tratamento.

E, reforçando, não é só Covid-19: a orientação é manter a carteirinha de vacinas das crianças atualizada, especialmente das que possuem alguma doença reumática. A prevenção é sempre o melhor caminho.

*Maria Carolina dos Santos é reumatologista pediátrica responsável pelo serviço de Reumatologia pediátrica da Santa Casa de São Paulo e membro da Comissão Científica da Sociedade Paulista de Reumatologia.

Leia mais em: https://saude.abril.com.br/coluna/com-a-palavra/criancas-com-doencas-reumaticas-podem-receber-a-vacina-contra-a-covid-19/

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading...
%d blogueiros gostam disto: